Artistas na IA e engenharia genética

 

        Projetos híbridos estão sendo cada vez mais abraçados pela arte contemporânea. Amplamente explorada, a tecnologia não mais se limita a uma área ou laboratórios superexpecializados, e a integração começa na metodologia da pesquisa de conceitos e se estende até o produto final. Inevitavelmente, a transdisciplinaridade abrange todos os processos.

 

        Um produto dessa nova realidade é uma obra de Cesar Baio, um artista e professor da Universidade Federal do Ceará e bolsista da Capes na Universidade de Plymouth. Sua instalação artística chama-se Culturas Degenerativas, e está em exposição até 13 de outubro no Brighton Digital Festival, um conhecido evento de arte na Inglaterra. O objetivo é causar uma reflexão introspectiva sobre como os humanos tentam controlar a natureza no decorrer das décadas: como prevemos desastres naturais, evitamos o bolor ou elaboramos novas tecnologias a partir dela, como energia solar. Os fungos são os protagonistas, e assim a parte degenerativa do título volta-se para como corrompemos a natureza nesse processo, a degenerando e alterando seus algoritmos.

 

Em um complexo sistema operacional, a instalação é composta de livros sobre o empreendimento humano de dominar a natureza. Uma criação de fungos está sendo cultivada em cada obra, e essa rede está conectada a um banco de dados com textos semelhantes aos que estão presentes na instalação. O artista chama essa conexão de biohibrida, e conforme os fungos “comem e degeneram” os livros físicos, o banco também é corrompido e lido por um sistema de visão computacional que registra por meio de impressões e tweets nas redes sociais. O processo ocorre em uma linha de tempo, registrando a perda da informação conforme os fungos avançam. Cada vez que uma pessoa cita @HelloFungus no twitter, o sistema gera uma citação advinda dos dados comidos. Essa espécie de interação faz com que os usuários da rede Twitter ajudem a espalhar esses esporos digitais de livros corrompidos, demonstrando a inclinação artística para a ciência e a reflexão digital.

 

 

Referências para esse Post:

https://cesarbaio.net/Culturas-Degenerativas

https://jornal.usp.br/atualidades/obra-artistica-alia-inteligencia-artificial-e-sistemas-naturais/

 

Facebook
Twitter
Please reload